quinta-feira, 26 de julho de 2012

Soneto da Terra


foto: internet


Quem me dera poder retribuir-te
Em vida, tudo aquilo que me deste,
Este sopro de vida sem pedir-me
Nada em troca, daquilo que fizeste.

Gritar em defesa do teu nome
Lamentar por teus filhos avarentos
Morrer, pra saciar tua fome.
Escrever tua saga, teu lamento...

Mãe Terra, de tantas voltas vividas,
Pérola das águas, do poder da vida.
Vida tirana que decreta a morte.

Apesar de tudo, continuas forte.
Teu ciclo de vida... Maior que o homem
Devolvendo a vida e coroando a morte.

Montanhas - RN


 
Karunesh - A journey of the heart

 

39 comentários:

  1. mãe terra tá precisando de nossa consciência teca!

    ResponderExcluir
  2. Cheiro de terra, a rotação, a vida passando vidas e Ela resiste aos humanos!Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  3. Oi Teca, uma entrada excelente, com um belo poema.
    Saudações. -

    ResponderExcluir
  4. Teca, que lindo poema y en ese idioma tan dulce. Un beso fuerte.

    ResponderExcluir
  5. Nice poem Teca..... very well done as usual.

    Kisses, Joop

    ResponderExcluir
  6. Que precioso poema Teca, me encanta!!! Un fuerte abrazo y gracias por tu regalo.

    ResponderExcluir
  7. Teca, que poema lindo hein! Gostaria de fazer assim! Gostei também muito do vídeo. Beijo

    ResponderExcluir
  8. Lindas demais estas palavras.
    A foto do Joop ficou perfeita no seu blog.

    Bjus

    ResponderExcluir
  9. Hermosísima fotografía, hermoso vídeo. El triundo de la belleza invoca el triunfo de la vida, esa es la celebración de la poesía.
    Inmeeeeenso abrazo Teca!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Qué mejor regalo que sentir la tierra entre los dedos y la mirada perdida, mirando con detenimiento las maravillas esculpidas con su paciencia infinita…

    Un abrazo…

    ResponderExcluir
  11. Pobre tierra, que mal nos portamos con ella.
    Un beso,Teca.

    ResponderExcluir
  12. Un millón de gracias por compartir tanta hermosura visual y poética.
    Me encanta ese mensaje de amor a la Madre Tierra.

    Tengo que contarte una noticia. Me he animado a abrir un nuevo blog de poesía que espero que te guste:

    http://versosyuniversos.blogspot.com.es

    Estoy muy ilusionado con este nuevo proyecto donde dar a conocer la literatura española e iberoamericana y donde reflexionar sobre cuestiones vitales.

    Un saludo con alegría desde Sevilla.

    ResponderExcluir
  13. Poemat, na ile zrozumiałam z tłumaczenia, piękny. Miłego weekendu. Pozdrawiam.
    O poema, na medida em que eu entendi da tradução, bonito. Tenha um bom fim de semana. Yours.

    ResponderExcluir
  14. Hola amiga Teca,maravilloso el video y un gran poema tu siempre nos invitas a tener una vida mejor.Un feliz fin de semana besos con mucho cariño.

    ResponderExcluir
  15. Great composition!
    I also like your head photo. How beautiful...!

    ResponderExcluir
  16. Excelente escolha poética.
    Gostei de ler.
    Teca, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Cuanta ingratitud mostramos con la madre tierra. La espoliamos, la quemamos, la esquilmamos, para nuestro egoísmo pasajero y, a cambio ella sigue dándonos lo mejor. ¿ Hasta cuando ?.
    Precioso el video, tanto la música como las imágenes
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Sin duda, la madre tierra nos dió la vida y nos dará la muerte, a ser posible que sea muy dulce. Besos.

    ResponderExcluir
  19. Un soneto maravilloso ,que tengas feliz domingo, un abrazo, J.R.

    ResponderExcluir
  20. Mais uma preciosidade, Teca.
    Ótima escolha.
    Pergunta: você também escreve?
    Caso sim, posta um poema seu para conhecermos.

    Bons Dias!

    ResponderExcluir
  21. Bonita poesía y bonita foto nueva de portada, con el contraste de la colza en floración y el verde de los trigos.
    Buen domingo.
    Saludos

    ResponderExcluir
  22. Siempre estupenda amiga.

    Saludos y buen domingo.

    ResponderExcluir
  23. Olá Teca

    Um belíssimo poema e um vídeo excelente.

    Como somos ingratos para a Mãe-Terra que tudo nos dá e nada nos pede em troca.

    Deveríamos pelo menos ter respeito por ela como temos pela nossa Mãe.

    Lindo post. Parabéns.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  24. Por quanto tempo a Terra resistirá aos abusos aos quais seus "filhos" inconscientes a submetem sem se dar conta da longa agonia que a ela impõem?
    Acorda, Homem!
    Beijo.
    Sigo com vc.

    ResponderExcluir
  25. Muito bem escolhido, este soneto.

    Beijo[ta]

    ResponderExcluir
  26. Palmas para a mãe terra, ela merece! Meu beijo.

    ResponderExcluir
  27. Minha querida Teca, respondi às suas duvidas sobre as caixas de comentários, espero que agora fique esclarecida.

    Beijo

    ResponderExcluir
  28. PRECIOSO POEMA A LA MADRE TIERRA, SI TANTO LA QUEREMOS DEBERÍAMOS CUIDARLA MÁS.

    UN BESITO QUERIDA AMIGA.
    CARIÑOS MILES.

    ResponderExcluir
  29. Olá. Sou José Manoel dos Santos de Montanhas/RN. Fique muito feliz ao ver minha poesia postada em sua página. Gostaria que você publicasse outras que tenho. Escrevo sonetos e outros estilos da poesia. Um abraço.

    ResponderExcluir
  30. Oi, Juca, mais feliz ainda fiquei eu de ver o autor da poesia por aqui! Ando meio atarefada e, por isso, estou um pouco afastada do blog.
    De qualquer forma, vou te dar uma sugestão: por que não faz um blog com suas poesias? Ou então, por que não usa o google+ para fazer suas entradas?
    Teria um prazer imenso de divulgar o seu trabalho. Gostei muito dos seus versos que falam sobre a terra.
    Felicidades e sorte.
    Um beijo carinhoso e flores para alegrar o seu sábado.

    ResponderExcluir