domingo, 16 de maio de 2010

Criando laços

imagem: internet





E foi então que apareceu a raposa:
- Bom dia, disse a raposa.
- Bom dia, respondeu polidamente o principezinho que se voltou mas não viu nada.
- Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
- Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita.
- Sou uma raposa, disse a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o princípe, estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Não me cativaram ainda.
- Ah! Desculpa, disse o principezinho.
Após uma reflexão, acrescentou:
- O que quer dizer cativar?
- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro amigos, disse. Que quer dizer cativar?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa criar laços...
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti.
E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás pra mim o único no mundo. E eu serei para ti a única no mundo... Mas a raposa voltou a sua idéia:
- Minha vida é monótona. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei o barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora como música. E depois, olha! Vês, lá longe, o campo de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelo cor de ouro. E então serás maravilhoso quando me tiverdes cativado. O trigo que é dourado fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento do trigo...
A raposa então calou-se e considerou muito tempo o príncipe:
- Por favor, cativa-me! disse ela.
- Bem quisera, disse o príncipe, mas eu não tenho tempo. Tenho amigos a descobrir e mundos a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres uma amiga, cativa-me!
Os homens esqueceram a verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.

Trecho do livro "O pequeno príncipe" de Antoine de Saint-Exupéry

 

10 comentários:

  1. Que bonitos textos tienes amiga, y maravillosas tus fotografías, me he permitido hacerme seguidor tuyo y estare observando desde menorca, un saludo

    ResponderExcluir
  2. Um prazer tê-lo aqui, Paco. Sinta-se à vontade...
    Reservo aqui nesse espaço os escritos e fotos que me agradam...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Um bonito texto...
    Uma bonita lição...

    Simplesmente ADOREI...

    Um beijo

    ResponderExcluir
  4. O Pequeno Príncipe é um desses livros que lemos e carregamos conosco para o resto da vida. Que bom começar a te conhecer, Teca. Tenha uma ótima semana. Bjs!
    PS: excluí o comentário antes devido a um erro de digitação, e eu detesto quando faço isso!

    ResponderExcluir
  5. Fico tão feliz com a visita de vocês... obrigada pelo carinho.

    Felipe, já há algum tempo fiz uma postagem especial sobre você... espero que não se importe. Veja: http://sedimentosdateca.blogspot.com/2010/03/profissao-artesao.html.

    Beijos a todos e voltem sempre. Ter artistas por perto é uma bênção.

    ResponderExcluir
  6. Ah! Felipe, tem que tirar o ponto final, senão o link da postagem que falei não entra.

    Mais beijos.

    ResponderExcluir
  7. Teca, esse é um dos meus livros favoritos!!!!
    Obrigada por passear pelos meus espaços, seja sempre bem-vinda!
    Abrazo!

    ResponderExcluir
  8. Satisfação em tê-la por aqui, Cris.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Mais um texto, simplesmente belo...

    ResponderExcluir